Gomes só não deu nome aos bois
Geografia

Gomes só não deu nome aos bois


Em um ótimo artigo, Paulo César da Costa Gomes (2009) afirma o seguinte: ?a ideia de uma ordem espacial pode substituir a quimérica busca pelo domínio de um objeto específico e ao mesmo tempo significar a superação das causalidades simplistas, a tentação do fácil consenso banal e das respostas a priori, características que têm sido bastante nocivas à afirmação de um campo de análise efetivamente relevante para a geografia?.


Considero o diagnóstico certeiro, já que é exatamente isso o que eu vejo na geografia atual. As "teorias" formuladas ao tratar de problemas sociais ou ambientais costumam ser apenas acusações tão categóricas quanto superficiais contra o capitalismo, a economia de mercado, a "razão cartesiana" e/ou a democracia representativa. Os geógrafos apontam esses elementos como causas diretas dos problemas em foco e nem ao menos se dão ao trabalho de demonstrar a relação de causalidade mencionada, a qual é vista como uma espécie de verdade a priori ou já suficientemente provada. Assim, atribuir ao capitalismo ou ao mercado todos os problemas do mundo já se tornou um consenso que dispensaria comprovações ou detalhamentos.

Exemplos disso? Basta ler o que os geógrafos escrevem sobre agricultura, reforma agrária, fome e meio ambiente, conforme já critiquei no texto Agricultura e mercado no Brasil. Ou então, ler os trabalhos de autores consagrados, a começar por Milton Santos. 

Mas, embora fazendo um diagnóstico correto, o artigo de Gomes não menciona que são as ideologias anticapitalistas que moldam a maior parte das "causalidades simplistas" e do "consenso banal das respostas a priori" presentes na produção geográfica. Como também não citou exemplos concretos de trabalhos e autores que incorram nesses vícios. 

Isso não quer dizer que eu esteja criticando o artigo de Gomes por não ter dado nome aos bois. Compreendo que seu objetivo era destacar alguns problemas epistemológicos persistentes na busca dos geógrafos por um objeto exclusivo de estudo e sugerir um caminho alternativo a essa empreitada, o qual consiste na proposta de estudar a ordem espacial para demonstrar que a localização dos fenômenos transforma-os qualitativamente. 

Portanto, eu mesmo me encarrego de apresentar casos que mostram o quanto a geografia atual se perdeu em simplismos e consensos dogmáticos devido à sua opção anticapitalista. Começarei a fazer isso no próximo post, que analisará uma conclusão de Marcelo Lopes de Souza sobre as causas da criminalidade.

- - - - - - - - - - 

GOMES, P. C. C. Um lugar para a Geografia: contra o simples, o banal e o doutrinário. In: MENDONÇA, F.; SAHR, C. L. L.; SILVA, M. (org.). Espaço e tempo: complexidade e desafios do pensar e do fazer geográfico. Curitiba: Ademadan, 2009.



loading...


- Não Pretendo Fundar Uma Nova Corrente De Pensamento Geográfico
Na última disciplina que ministrei junto ao Programa de Desenvolvimento Educacional - PDE, um dos professores que participaram fez uma pergunta muitíssimo interessante. Ele comentou que, como eu estava fazendo uma série de refutações a autores...

- Tese Central De Santos, Harvey E Soja é Só "malabarismo Retórico"
Ao proferir uma fala sobre a geografia crítica, Paulo César da Costa Gomes fez uma afirmação de extrema importância. Ele disse que a definição de espaço como produto da sociedade encerra um problema epistemológico insolúvel, pois, se o objeto...

- A Geografia Agrária Só Mudou De Rótulo
Os estudos de geografia que tratam do rural já receberam várias denominações, como geografia agrária, geografia rural, e assim por diante. Sob a influência da geocrítica, o rótulo mais utilizado tem sido geografia agrária, a qual, de modo semelhante...

- Planejadores Radicais Não Têm Nada A Propor
Os geógrafos críticos, por sua opção incondicional pela utopia e recusa a ver qualquer positividade no capitalismo, são incapazes de apresentar soluções que sejam a um só tempo radicais e consistentes. A melhor demonstração disso é o IX Colóquio...

- E Vesentini Divulga Esse Primeiro Erro
Basicamente, o ensino fundamental e o médio têm por objetivos transmitir os valores da cidadania, apresentar uma breve introdução a algumas teorias explicativas de fenômenos naturais e sociais e, por fim, desenvolver as habilidades cognitivas necessárias...



Geografia








.